Formas de marketing politico que afastam os eleitores (parte I)

Marketing Político no Espírito Santo

1 – Interagir com eleitores errados

Teoricamente existe um conceito de que o candidato deve gostar de seus eleitores, isso é muito bonito, no papel, mas a realidade é diferente.

Alguns candidatos simplesmente não conseguem interagir com determinados tipos de eleitores, isso é a vida real, ninguém é obrigado a gostar de todo mundo.

Em alguns casos o candidato se esforça para demonstrar simpatia, para se interessar por determinados tipos de eleitores, mas em muitos casos seu esforço acaba se tornando visível e prejudica a campanha.

O objetivo do Marketing político não é puxar os eleitores para o seu lado, mas fazer com que eles se aproximem por livre escolha, seduzi-los.

Enquanto a maior preocupação for quantidade e não qualidade, você o risco de acabar perdendo eleitores por não saber interagir com eles.

E, é claro, os adversários agradecem.

Neste caso uma boa pesquisa, uma boa análise dos eleitores, pode ajudar a selecionar aqueles que são mais próximos ao perfil de pessoas com as quais o candidato se relacionará bem.

Estes, desenvolvendo uma boa relação com o candidato, automaticamente se tornarão divulgadores da mensagem da campanha e, por sua vez, irão utilizar de táticas semelhantes (instintivamente) para conquistar novos seguidores.

Se sua equipe de Marketing insiste em fazer com que você se relacione pessoalmente com todos os tipos de eleitores, cuidado, você pode estar jogando o dinheiro de sua campanha fora e ainda contribuindo com os adversários.

Antipatizar com um candidato é direito de todo eleitor, mas como a equipe de marketing vai lidar com isso é responsabilidade do candidato.

2 – Fazendo promessas impossíveis de cumprir

Nada afasta mais eleitores do que promessas não cumpridas ou promessas obviamente impossíveis de serem cumpridas.

Atualmente o candidato que pensa que o eleitor não está interessado em programas de governo ou que é possível criar um programa de governo utópico e fazer os eleitores acreditarem na veracidade dele, deve repensar essa tática.

Hoje, com o acesso à internet e às redes sociais, veremos muitos eleitores discutindo programas de governo entre si. O tempo em que a política era unilateral, em que os políticos diziam uma coisa em cada bairro da cidade, muitas vezes contradizendo-se a cada quarteirão, acabou.

Ao projetar seu programa de governo, pense nisso.

Ao invés de prometer mundos e fundos, procure ouvir seus eleitores, descubra o que eles esperam, pesquise.

A parte mais importante do Marketing Político é saber ouvir.

3 – Utilizando ou não o que você sabe

O simples fato de ouvir o que os eleitores desejam, não significa que você deva transformar estes desejos em discursos radicais.

Lembre-se de que os eleitores muitas vezes constroem seus planos de vida em torno do que acreditam. Isso inclui promessas políticas.

Dizer a eles que você vai fazer o que desejam e depois ignorar isso durante quatro anos é como desistir de sua carreira política já no início da campanha.

Limite-se a oferecer aquilo que você sabe que poderá entregar, seja honesto, mesmo que isso não contente a todos. Explique as limitações que o cargo impõe e que não pretende prometer nada além do que poderá cumprir.

Pelo menos os eleitores saberão que podem confiar em você e isso é muito mais do que muitos deles esperam de políticos atualmente.

4 – Ignorando eleitores

Respeito e confiança são coisas importantes, mas muitos políticos cometem um erro tolo.

Uma vez que se sentem confiantes de sua vitória, ou que sentem que em determinada comunidade eles não tem a menor chance, o candidato passa a ignorar aqueles eleitores e partindo em busca de novos.

A conquista de eleitores é, evidentemente, o objetivo da campanha, mas, nunca se esqueça que da mesma forma que você os conquistou pode perdê-los para um adversário mais simpático, mais carismático ou mais oportunista.

Muitas vezes o eleitor conquistado hoje, pode mudar de idéia amanhã e ser conquistado novamente no outro dia.

Campanha é uma batalha constante, não a perca apenas por se sentir confiante demais.   

Que saber mais a respeito de um bom planejamento de campanha online? acesse www.suacampanha.com e consulte-nos

Boa sorte!

Anúncios

Algumas regrinhas básicas para pequenas empresas no uso de Mídias Sociais

Promover o seu negócio nas Mídias Sociais pode ser muito bom para divulgar sua marca ou serviço, conquistar visibilidade e construir um bom relacionamento com os seus clientes.

Se fizer isso de forma correta o uso das Mídias isso poderá ser o mais barato meio de implantar uma campanha de Marketing.

No entanto muitas vezes algumas companhias entram para as Mídias Sociais apenas porque é o que todos estão fazendo, ou, o que é pior, para bombardear os usuários com postagens que a maioria não dará atenção.

As Mídias Sociais são realmente uma boa ferramenta para d divulgação da sua empresa?

A resposta é SIM, no entanto é preciso que você tenha em mente algumas estratégias específicas de Marketing em Mídias Sociais.

Vejamos algumas delas:

1 – Não tente vender: Mídias Sociais são, antes de mais nada, ”sociais”. As pessoas usam a isto para se relacionarem umas com as outras. Você não tentaria vender seus produtos/serviços em uma festa, certo? Então não o faça em um Rede Social. Use de sutileza para fazer as pessoas falarem ou pensarem em seus produtos. A agressividade pode acabar tento um efeito inverso.

2 – Tenha consciência de que para uma campanha nas Mídias Sociais o seu maior e mais importante investimento será “tempo”.  Você precisa conhecer o seu público antes de abordá-lo. Isso lhe dará uma vantagem inestimável. Tenha certeza de que o que você tem a dizer vai conquistar a atenção do usuário e não apenas afastá-lo.

3 – Tenha em mente o seu objetivo. Como em qualquer campanha de marketing, as Mídias Sociais deverão ser utilizadas como uma ferramenta para atingir uma meta. Não comece a comprar anúncios sem ter um propósito específico em mente, isso não vai te ajudar e pode até mesmo atrapalhar sua campanha. Criar uma perfil em uma rede social pode ser gratuito, mas vai consumir seu tempo e, como dizem, “tempo é dinheiro”.

4 – Entender as Mídias Sociais é um passo importante. Não adianta você criar seu perfil e depois ficar sem saber o que ou como fazer uma vez que esteja em contato com futuros ou atuais clientes.

5 – Como eu disse antes, Mídias Sociais exigem tempo, se você não tiver o suficiente para dedicar a isso, contrate alguém (pode me ligar se quiser).

6 – Se você decidir por contratar alguém para gerenciar suas Mídias Sociais (continuo dizendo que pode me ligar), não se esqueça de ter em mente o que exatamente você quer e deixe que a pessoa saiba disso. É preciso que você tenha consciência do conteúdo que está gerado e de como ele irá afetar sua empresa.

7 – Ouça. Estou falando sério, OUÇA o que seus clientes têm a dizer, preste atenção ao que talvez não estejam dizendo, monitore constantemente, para isso existem ferramentas muito úteis na internet.

E por último, tenha consciência de que assim como o bom uso das Mídias Sociais pode trazer muitos benefícios para sua empresa, o mau uso pode prejudicar sua imagem online e isso pode ser muito difícil de corrigir depois.

Mantenha isso em mente.

Boa sorte!

Escolhendo as palavras chave

Porque é tão importante escolher bem as palavras-chave do seu site? Por que é através delas que os mecanismos de busca classificam o seu site.

É através das palavras-chave que os usuários chegarão até o seu site, por isso, quanto mais relacionadas ao tema do seu site, melhor a forma como elas irão captar visitante.

No PDF a seguir você pode conferir o que deve fazer para selecionar as melhores palavras chave para o seu site. É só clicar no link.

Escolhendo as Palavras-chave

Espero que gostem.

Marketing político digital nas cidades pequenas

O mais importante ao se iniciar uma campanha política digital é definir o publico alvo.

Não adianta sair atirando em todas as direções, enviando todo o tipo de mensagem a todos os amigos, conhecidos e seguidores, é preciso saber se a mensagem vai realmente interessar àquele eleitor ou se ele vai, mais cedo ou mais tarde, acabar classificando seus e-mails como spam, apenas por não terem interesse na maioria das mensagens.

Imagine o político em um comício, cercado de jovens de 16 a 22 anos, falando sobre economia,  quanto tempo você acha que o público continuará ouvindo?

O mesmo acontece na internet, sendo que ao invés de saírem da conversa, o eleitor que classificar os e-mails do político como spam, poderá acabar perdendo alguma informação importante e de seu real interesse.

Como evitar isso?

Selecionando o público alvo e o tipo de mensagem a ser enviado para cada um.

Os tipos de Mídias Sociais selecionadas para as ações do candidato também são importantes, alguns imaginam que apenas estar no Facebook é suficiente,  afinal o Face é a Rede Social do momento, certo?

Errado.

A escolha das Mídias Sociais está diretamente ligada à classificação do público alvo e neste caso e importante ter uma noção de quais as Redes Sociais fazem mais sucesso em sua cidade.

Atualmente ainda aposto mais no Orkut. Apesar de todos os protestos dos usuários do Facebook e afirmações de que “O Orkut está morto”. Eu ainda vejo uma quantidade razoável de usuários ativos que podem ser primordiais em uma eleição municipal.

O eleitor de cidades pequenas nas Mídias Sociais são, em sua maioria, jovens entre 16 e 24 anos e esse ainda é o maior grupo de usuários do Orkut.

O conceito de classes x Redes Sociais, embora possa parecer discriminatório, é valido também.

Qualquer candidato de cidade pequena sabe que o eleitor realmente relevante é o das classes C e D.

Os jovens que utilizam a internet com objetivos especificamente sociais; jovens formadores de opiniões, esse é o eleitor que realmente interessa.

Nas cidades pequenas a jovem elite não é significativa o bastante para fazer peso nas urnas, embora, em momento nenhum se deva ignorar esse público.

No entanto, voltamos à questão de mensagens específicas para públicos alvos específicos:

Não adianta comentar sobre a necessidade de melhorias nos bairros x e z com um eleitor dos bairro e e f, eles realmente não estão interessados.

Nesse caso, a classificação de público é essencial para uma boa campanha digital, assim como o é em uma campanha tradicional.

Ter conhecimento do que realmente interessa ao seu eleitor pode facilitar a comunicação e consequentemente a conquista do voto.

É importante um bom planejamento de tópicos assim como uma boa administração das Redes socais, uma vez que será através delas que o candidato desenvolverá a comunicação com  os eleitores.

Recomendo evitar polêmicas, mas na fugir de desafios.

Lembre-se de que o fato de você não responder a uma crítica, não a fará desaparecer e que, uma vez que esteja publicado na internet, ao contrário de velhos jornais, o artigo, crítica ou elogio não desaparece e às vezes continua na primeira página do Google para quem quiser ver.

O melhor mesmo é ter sempre uma estratégia de emergência e estar preparado para quaisquer eventualidades.  Para isso é necessário um monitoramento constante e cuidadoso.

Boa sorte!